PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA E FATORES DE RISCO EM ESTUDANTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

  • Gustavo Viana Lima de Macêdo Faculdade de Integração do Sertão – FIS
  • Leonardo Henrique Monteiro de Carvalho Faculdade de Integração do Sertão – FIS
Palavras-chave: Acadêmicos, Disfunções Pélvicas, Fisioterapia Pélvica, Incontinência urinária

Resumo

A Incontinência Urinária é o termo utilizado para classificar qualquer tipo de perda urinária na vida de um indivíduo, independentemente da idade e sexo. Ela pode ser dividida em Incontinência Urinária de Esforço (IUE), de Urgência (IUU)/bexiga hiperativa (BH) e mista (IUM), com estudos indicando que sua maior incidência é no sexo feminino, com 27% em todo o mundo. Avaliar qual a prevalência da incontinência urinária e seus fatores de risco em mulheres cis e homens trans de uma Instituição de Ensino Superior. É um estudo transversal, quantitativo e qualitativo, por meio de questionário online, com um grupo de mulheres cis e homens trans da Faculdade de Integração do Sertão - FIS em Serra Talhada-PE, a partir de 18 anos e que estejam regularmente matriculadas na referida instituição. Houve relato de perda urinária de 46,06% das entrevistadas. A média de idade foi de 24,6 anos. Evidenciou-se que 57.69% praticava atividades físicas. Calculado que 46,15% relatou que apresentava muito estresse diário. Foi visto que 46% das amostras incontinentes passavam de 7 a 10 horas em sedestação por dia, 38% apresentou dores lombares várias vezes na semana. Da amostra, 32% relatou que a ocorrência de perda de urina ocorria antes de chegar ao banheiro. A relação do Escore ICIQ-SF mostrou que 46,1% era afetada de forma moderada. Da amostra, 34,61% consome café/chá/chocolate/cola todos os dias da semana, 50% consome alimentos gordurosos mais de uma vez na semana. Mostrado que 30,76% quase nunca evitava consumir produtos açucarados. Na amostra, 53,84% nunca consume alimentos ricos em carboidratos. O estudo evidenciou uma relação moderada a elevada na prevalência da IU em estudantes do ensino superior (44,06%), este que se necessita de mais estudos para uma melhor compreensão de suas causas e fatores de risco.

Publicado
2024-06-13
Como Citar
1.
Viana Lima de Macêdo G, Monteiro de Carvalho LH. PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA E FATORES DE RISCO EM ESTUDANTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR. RMS [Internet]. 13º de junho de 2024 [citado 12º de julho de 2024];6(2):150-61. Disponível em: https://revistamultisertao.com.br/index.php/revista/article/view/730