PREVALÊNCIA DE VULVOVAGINITES EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO SERTÃO PERNAMBUCANO

  • Beatriz Nunes Cabral Faculdade de Integração do Sertão – FIS
  • Maria Fernanda Bezerra da Silva Universidade Federal de Pernambuco, Laboratório de Imunopatologia Kaizo Asami-LIKA, Recife-PE, Brasil
Palavras-chave: Enfermeiro, Papanicolau, Vaginose Bacteriana

Resumo

Introdução: As infecções cérvico-vaginais representam as principais queixas ginecológicas das mulheres sexualmente ativas. Além da prevenção contra o câncer de colo do útero, o exame de Papanicolau também é utilizado, por ser bastante acessível, para a detecção dos microorganismos patogênicos responsáveis por diagnósticos de Candidíase, Vaginose Bacteriana e Tricomoníase. Objetivo: Analisar a prevalência de vulvovaginites em mulheres atendidas em uma unidade básica de saúde do Município de Serra Talhada-PE. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, transversal, retrospectivo com abordagem quantitativa, realizado na UBS Cohab II, por meio da observação de registros do livro de citologia oncótica da unidade. Resultados: De um total de 800 mulheres que realizaram o exame Papanicolau entre 2019 e 2021, foram excluídos 145 exames insatisfatórios. Foram analisados 655 exames citopatológicos, sendo 24,2% relacionados a vulvovaginites. Entre os achados microbiológicos encontrou-se 114 resultados (17,4%) de Gardnerella vaginalis, seguidos de 42 (6,5%) de Candida albicans e 2 (0,3%) de Trichomonas vaginalis, em mulheres de aproximadamente 20 a 39 anos. Além disso, os resultados de inflamação apareceram associados a Candidíase e a Vaginose Bacteriana em 74,3% dos casos. Conclusão: Diante do exposto, verificou-se prevalência da Vaginose Bacteriana por Gardnerella vaginalis que causa várias complicações a saúde da mulher. Esses dados reforçam a importância da realização do citológico por ser considerado um método de rastreamento de afecções vaginais disponível na atenção primária a saúde. Também é válido afirmar a importância do enfermeiro no acolhimento e educação em saúde, para o fortalecimento de estratégias que façam a população feminina procurar atendimentos preventivos.

Publicado
2024-02-21
Como Citar
1.
Nunes Cabral B, Bezerra da Silva MF. PREVALÊNCIA DE VULVOVAGINITES EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO SERTÃO PERNAMBUCANO. RMS [Internet]. 21º de fevereiro de 2024 [citado 25º de abril de 2024];6(1):80-8. Disponível em: https://revistamultisertao.com.br/index.php/revista/article/view/712